saúde e bem estar

Cuidado integral para o cabelo

A alopecia é uma doença capilar, caracterizada pela perda de cabelo, que pode atingir homens e mulheres em qualquer idade. O seu tipo mais comum é a androgenética, que associa causas hormonais e genéticas. O que muitos não sabem é que existem profissionais especializados, que podem tratar o problema e até recuperar os fios sem a necessidade de transplante. A tricologia é uma ciência, reconhecida pela medicina, que estuda as enfermidades do cabelo e couro cabeludo. Em Salvador, a médica cirurgiã,Dra Luana Brazileiro, é especialista no assunto e abriu uma clínica voltada para esse público. “Quero proporcionar um cuidado integral ao meu paciente,desde o diagnóstico, passando pelo tratamento, pela recuperação e manutenção, para que ele consiga preservar seus fios e, junto com isso, sua autoestima”,explica a médica.

dr luana brazileiro1Apesar de a alopecia ser uma doença crônica, não significa que o indivíduo ficará careca. Isso somente ocorrerá, se não houver tratamento adequado. “Se o paciente começa a apresentar períodos de quedas intensas de cabelo, o que chamamos de eflúvio, e ele não cuida, a situação foge do controle. “Isso vai acabar gerando a calvície, que é a evolução da doença”, conta a especialista. A profissional destaca que a queda exagerada dos fios é facilmente notada pelo indivíduo,durante a lavagem ou escovação. “É uma situação que chega a ser desesperadora”, pontua.

Causas – A alopecia androgenética está muito ligada ao estresse. Além disso, é bastante comum em mulheres no pós-menopausa, pós parto, pacientes bariátricos e oncológicos. “Nosso organismo é inteligente. Quando estamos doentes, o corpo entende que o cabelo não é prioridade. Se os nutrientes ingeridos não são suficientes para suprir tudo, o corpo vai enviá-los para órgãos prioritários, como rim e coração, e vai deixar de nutrir os anexos, como cabelo, unhas, cílios e sobrancelhas”, ressalta Dra Luana Brazileiro. Como a doença tem cunho genético, é importante observar se há casos de calvície na família. É ainda uma doença comumente apresentada por pacientes com déficit de ferro ou ferritina, com problemas na tireoide, doenças metabólicas e hipovitaminoses.

Tratamento Para indicar o tratamento adequado, a médica faz um estudo minucioso do paciente, durante a consulta médica, com exame de Tricoscopia.“É fundamental colher todas as informações.Investigamos história familiar, sono, alimentação,períodos de queda de cabelo, quais tratamentos tentou”, ressalta. Ela explica que o período de tratamento depende do estágio da alopecia, da calvície já formada, se o paciente possui bulbo reversível ouse vai ser necessária a cirurgia de transplante capilar.“Muitas vezes precisamos organizar o paciente inteiro,da parte emocional até estabilização da doença, antes de adotar o procedimento cirúrgico. Alguns pacientes terão de tomar medicação contínua. Mesmo quem faz transplante precisa fazer o controle, porque a alopecia é uma doença crônica, não tem cura”, pontua Dra Luana.

luana brazileiro cabelosAtendimento integral – Filha de médico, Dra Luana Brazileiro seguiu os passos do pai na opção pela cirurgia geral. Fez residência na área e partiu para a tricologia, sua paixão. Em paralelo, investiu na medicina estética. A ideia da clínica nasceu ao perceber a carência no atendimento integrado do cabelo, pois não havia um local em que o paciente tivesse acompanhamento médico associado à terapia capilar. “Eu já trabalhava com o embelezamento facial e com a tricologia, mas sonhava em oferecer tratamento tanto do couro cabeludo quanto da fibra capilar. Agora, preparamos um ambiente acolhedor e relaxante, oferecendo tratamentos para rejuvenescimento facial, com uso de preenchedores, bioestimuladores de colágeno, toxina botulínica, além dos tratamento capilares completos, com protocolos exclusivos de controle de queda e estímulo decrescimento, transplante capilar, transplante de sobrancelhas e barba, designer de sobrancelhas e micropigmentação“.