Odontologia digital garante mais precisão e reduz tempo de tratamento

A era digital implantou transformações sociais radicais. Avanços nas áreas do conhecimento foram viabilizados pela evolução tecnológica, que criou incontáveis facilidades para a humanidade. Beneficiada por esse progresso, a odontologia viu nascer uma nova fase, da odontologia digital, que tem agregado novidades a cada ano, proporcionando maior eficácia e segurança nos tratamentos. Sendo o sorriso uma das mais importantes demonstrações de alegria e afeto, o aparato tecnológico tem permitido que um número grande de pessoas que apresentava problema envolvendo a dentição sinta-se agora confortável e autoconfiante para sorrir. “Com as tecnologias digitais, conseguimos um diagnóstico muito mais preciso, o que facilita a tomada de decisões sobre o tratamento. Além disso, as técnicas trouxeram conforto para o paciente e mais agilidade aos profissionais”, afirma o dentista Rodrigo Queiroz.

A odontologia digital permite que o profissional atue em dois universos, o real e o virtual. Por isso, o primeiro passo é “digitalizar” o paciente. No processo de captura das informações, são utilizadas câmeras de foto e vídeo, escâneres intraorais 3D ou de bancada e tomografias computadorizadas. Assim, é possível “carregar” o paciente para dentro dos programas de computadores, permitindo que o dentista tenha acesso a seu molde virtual. “Com o scanner digital, por exemplo, conseguimos obter imagens tridimensionais e precisas das estruturas bucais.

A tecnologia pode ser utilizada tanto para o diagnóstico, quanto na execução de tratamentos, como implantes, restaurações, coroas, facetas, laminados cerâmicos e até para a confecção do mais moderno aparelho móvel da atualidade, o invisalign”, explica o profissional.

O segundo passo do processo tem a ver com o planejamento em software, que é o momento de fazer a projeção das especificidades do tratamento, do que será utilizado e de que forma. Aqui, o profissional vai projetar restaurações, coroas, lâminas, guias cirúrgicos e até alinhadores ortodônticos, dentre outros. A terceira e última etapa, batizada de fresagem ou impressão 3D, é a transformação do que foi projetado no mundo virtual em realidade, por meio de duas tecnologias. Na fresagem, o profissional escolhe um bloco maciço de material, que pode ser cerâmica ou resina, por exemplo. Esse bloco será inserido na fresadora, que vai trabalhar até que reste apenas o protótipo projetado. Já na impressão 3D, o produto é criado a partir de um modelo de polímero.

Benefícios - Um dos grandes ganhos com ouso do escaneamento intraoral é a dispensa da necessidade de utilização de moldeiras e confecção de modelos em gesso para reprodução da arcada dentária. Todo esse aparato tecnológico resulta em aparelhos e equipamentos bem mais anatômicos. “Essa novidade possibilita uma experiência muito mais positiva nos consultórios, já que os pacientes se beneficiam com planejamentos mais precisos, comodidade, tratamentos muito mais rápidos e com um ótimo custo-benefício. Essas ferramentas possibilitam, inclusive, apresentar ao paciente, no próprio consultório, a simulação da transformação do sorriso”, comemora Rodrigo Queiroz.

A integração das soluções digitais e robóticas aos procedimentos odontológicos também é responsável por outros benefícios. “No caso das moldagens digitais, observamos a redução dos retornos e refações. E como substituímos a moldagem convencional por um escaneamento intraoral, isso permite que a entrega de trabalhos seja feita em um espaço de tempo reduzido, entre 24h e 72h, com alta precisão de planejamento”, conta o especialista. Além de eliminar algumas etapas clínicas, o planejamento virtual evita erros e distorções dos materiais de moldagem, além da identificação, com muito mais clareza, dos problemas odontológicos.