Equilíbrio físico e mental é decisivo para opção por cirurgia plástica

Seja por cobrança social, seja por motivação pessoal, as pessoas alimentam, cada dia mais, o desejo de melhorar a aparência. Em razão disso, a busca pelas cirurgias plásticas tem crescido progressivamente. O senso bienal da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBPC) aponta que, no ano passado, foram realizadas 1,7 milhão de operações no Brasil. Desse total, 60% tiveram fins estéticos. Em relação ao senso anterior, divulgado em 2016, o índice é 25,2% maior. As cirurgias plásticas estéticas contribuem para a melhora da autoestima dos pacientes e, para o cirurgião plástico Dr. Vinicio Moitinho, é fundamental que a decisão pelo procedimento seja tomada na hora adequada, sem precipitações. “O paciente deve fazer essa opção em um momento em que esteja bem psicologicamente e fisicamente, com atenção dedicada aos exercícios físicos e à alimentação, para que os riscos cirúrgicos sejam menores e os resultados, mais gratificantes”, afirma o profissional.

Na consulta pré-operatória o médico deve buscar entender as verdadeiras expectativas do paciente, o que pode ser facilitado com uso de fotos ou referências de amigos que já se submeteram ao procedimento. O profissional tem que utilizar de todos os recursos para esclarecer o paciente quanto às possibilidades de resultado, técnicas operatórias, tempo de internação, período de recuperação, cuidados pós-cirúrgicos e custos.

O bom resultado da cirurgia depende de uma equipe competente e de um hospital que ofereça as melhores condições para a realização do procedimento. Dr Vinicio Moitinho opera normalmente no Hospital da Plástica da Bahia onde é o Diretor Médico e dispõe de um grupo de anestesistas experientes, equipamentos de alta qualidade, técnicos e enfermeiros com vivência nas particularidades dos pacientes de cirurgia plástica. Vale ressaltar que a cirurgia é apenas a primeira parte do tratamento, sendo fundamental que haja uma consciência de parceria onde a paciente deve respeitar as orientações pós operatórias no que tange ao repouso, curativos, drenagens linfáticas e uso de cintas e sutiãs.

Riscos – Alguns riscos são inerentes a qualquer cirurgia independentemente da especialidade. “Todas as cirurgias oferecem um risco, maior ou menor. As intercorrências e complicações fazem parte do universo de qualquer procedimento. Nas cirurgias plásticas tendem a ser menos frequentes por se tratar de cirurgias eletivas em que pode-se fazer uma avaliação prévia bastante criteriosa, inclusive com parecer de outros especialistas, se necessário. Além do fato dos pacientes serem pessoas hígidas, não doentes, que gozam de boa saúde”. Sobre as cirurgias estéticas, ele enumera as ocorrências mais comuns, que são hematomas, seromas, infecções, deiscências, alargamentos cicatriciais e hipertrofia de cicatriz.

No topo da lista – Podemos dividir as cirurgias mais procuradas de acordo com a idade e o gênero. Entre as pacientes mais jovens destaca-se a colocação de implantes mamários, a mamoplastia redutora, a lipoaspiração, próteses de panturrilha, rinoplastia e otoplastia. Após a gravidez, as mulheres normalmente realizam abdominoplastia com ou sem lipoaspiração, e cirurgia das mamas com ou sem próteses. À partir dos 40 anos começa a aumentara procura por procedimentos de rejuvenescimento facial com as blefaroplastias (cirurgias das pálpebras). Quanto aos homens, as cirurgias mais procuradas são a lipoaspiração, rinoplastia, correção de orelhas em abano, tratamento de ginecomastia, implante capilar e colocação de próteses de panturrilha.

Vale ressaltar que com a evolução das técnicas operatórios e equipamentos, na maioria dos casos os pacientes têm alta no mesmo dia. Ele destaca que, independentemente da escolha do procedimento, o relevante é atender ao desejo do paciente com responsabilidade e profissionalismo, para que seja alcançado o resultado desejado.

Resgatando vidas – É grande o impacto da cirurgia plástica na vida das pessoas. “O fato é que a cirurgia plástica é uma especialidade médica com um conhecimento que vem amadurecendo ao longo das gerações. Hoje, nós, cirurgiões plásticos, podemos oferecer uma vida mais saudável e feliz”, defende o cirurgião. Salvando vidas, ao tratar vítimas de queimaduras, portadores de anomalias congênitas ou pacientes oncológicas, restaurando funções, com as cirurgias reconstrutivas, utilizando-se de retalhos, enxertos e técnicas específicas em diversas regiões do corpo, ou melhorando a estética com procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos, a cirurgia plástica tem resgatado o bem-estar físico e mental das pessoas. “nosso papel é devolver a alegria e bem-estar ao paciente”, afirma.