A relação do exercício físico e o sistema imunológico

As atividades realizadas de forma ordenada, com certa regularidade, intensidade e intenção, constituem um subtipo de atividade física, designado exercício físico. E sua relação com o Sistema Imunológico tem gerado interesse e curiosidade nesse período de quarentena e de pandemia causada pelo COVID-19. A literatura cientifica relata que a prática regular de exercícios moderados ajuda no reforço da imunidade promovendo um aumento dos linfócitos (células de defesa do nosso organismo), que destroem células tumorais ou infectadas por vírus e bactérias.

A classificação do nível de esforço físico é, normalmente, estabelecida através de parâmetros fisiológicos e metabólicos, como por exemplo frequência cardíaca máxima, consumo máximo de oxigénio e índice de percepção de esforço (Pires da Silva et al., 2009).

O Estresse fisiológico produzido pelo exercício físico moderado são responsáveis pela descarga de dois hormônios na corrente sanguínea (adrenalina e noradrenalina), que exercem influência sobre uma série de processos fisiológicos, constituindo um fator fulcral na modulação da imunidade. A resposta ao estresse fisiológico reflete-se em modificações bioquímicas, endócrinas, hematológicas, etc., que levam o organismo à situação ideal de homeostasia (habilidade em manter o meio interno em equilíbrio, independente das alterações que ocorram no meio externo). A elevação de temperatura corporal provocada pelo exercício estimula a síntese de mediadores imunológicos (citocinas), que são capazes de produzir um aumento da proliferação de linfócitos. (Catanho da Silva et al., 2011).

Fisioterapeuta Lueyde EstevesAinda é importante salientar que a prática regular de exercício físico moderado, acarreta benefícios também a nível do sistema cardiovascular, da função respiratória e do tônus  muscular, diminui os níveis de estresse psicológico, favorecendo a estabilidade emocional, promove o controlo metabólico e otimização da massa corporal.

É importante que mesmo durante a quarentena, todos mantenham-se ativos, recorrendo a profissionais capacitados que possam ajuda-los com atendimentos e treinos através do uso de aplicativos de teleatendimento, garantindo a escolha correta do exercício, a sua execução e os resultados esperados.

Estudos relatam que tele exercícios aumentam a massa muscular, a função dos membros inferiores, tem impacto positivo na saúde e ainda geram satisfação em pessoas com distúrbios osteomusculares e controle de dor em indivíduos com dores crônicas.

Não podemos esquecer que além da prática regular de exercícios físicos, devemos usar os recursos possíveis para manter um equilíbrio entre saúde mental e física e assim garantir um reforço ao nosso Sistema Imunológico na luta contra o COVID-19.

Lueyde Esteves

Fisioterapeuta CREFITO 80846

Studio Pilates Salvador